Pular para a barra de ferramentas

*O calvário do Conde: Rua recém-entregue pela Prefeitura está completamente alagada*

*O calvário do Conde: Rua recém-entregue pela Prefeitura está completamente alagada*

*O calvário do Conde: Rua recém-entregue pela Prefeitura está completamente alagada*

Os moradores do Loteamento Ademário Régis, no Distrito de Jacumã, em Conde, enfrentam todo tipo de problema. Quando chega o período chuvoso a situação torna-se pior, pois quase todas as ruas não têm calçamento e os alagamentos causam danos e transtornos.

Logo depois que foi libertada do presídio, a prefeita Márcia Lucena (PSB) entregou o calçamento da Rua da Esperança, única via com tal estrutura em todo o Ademário Régis. Na manhã desta quinta-feira (15), os moradores viram a “esperança” ser desfazer em “rio” de tristeza.

O péssimo planejamento da obra que custou mais de R$ 600 mil reais, com direito inclusive a aditivo financeiro, deixou de levar em consideração a bacia hidrográfica e a contribuição de águas das ruas e com isso acabou fazendo com que a via tivesse um número insuficiente de bocas de lobo, consequentemente uma drenagem ineficiente e incapaz de reter devidamente a água. Resultado: alagamento, água nas casas, perdas materiais e risco de doenças.

É preciso lembrar que enquanto investe mais de R$ 5 milhões de reais na obra do centro de Conde, a prefeitura deixa de investir nos bairros mais pobres, onde há maior concentração populacional, deixando assim o povo entregue a própria sorte.

Os moradores do Loteamento Ademário Régis, no Distrito de Jacumã, em Conde, enfrentam todo tipo de problema. Quando chega o período chuvoso a situação torna-se pior, pois quase todas as ruas não têm calçamento e os alagamentos causam danos e transtornos.

Logo depois que foi libertada do presídio, a prefeita Márcia Lucena (PSB) entregou o calçamento da Rua da Esperança, única via com tal estrutura em todo o Ademário Régis. Na manhã desta quinta-feira (15), os moradores viram a “esperança” ser desfazer em “rio” de tristeza.

O péssimo planejamento da obra que custou mais de R$ 600 mil reais, com direito inclusive a aditivo financeiro, deixou de levar em consideração a bacia hidrográfica e a contribuição de águas das ruas e com isso acabou fazendo com que a via tivesse um número insuficiente de bocas de lobo, consequentemente uma drenagem ineficiente e incapaz de reter devidamente a água. Resultado: alagamento, água nas casas, perdas materiais e risco de doenças.

É preciso lembrar que enquanto investe mais de R$ 5 milhões de reais na obra do centro de Conde, a prefeitura deixa de investir nos bairros mais pobres, onde há maior concentração populacional, deixando assim o povo entregue a própria sorte.

 

Blog Anderson Soares

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: