Pular para a barra de ferramentas

CONDE NA CALVÁRIO NOVAMENTE: DENÚNCIA DE APROPRIAÇÃO DA LIFESA POR UMA ORCRIM DESTACA NEGOCIAÇÃO COM GESTÃO MÁRCIA LUCENA

A Prefeita de Conde Márcia Lucena, denunciada como integrante do núcleo político da Organização Criminosa revelada pela Operação Calvário do GAECO-PB, e que usa tornozeleira eletrônica há mais de dois meses como medida cautelar imposta pela justiça, teve sua gestão mais uma vez inserida dentro de mais uma denúncia do Ministério Público da Paraíba.

Dessa vez, a denúncia versava sobre a forma utilizada pela ORCRIM para se apoderar de uma empresa de economia mista que se encontrava praticamente falida e que realizou negócios com o governo do estado e com prefeituras municipais, sendo inicialmente, no ano de 2017, com a Prefeitura de Conde governada pela Prefeita Márcia Lucena.

Em determinado trecho a denúncia expões a atuação de Ricardo Coutinho para que o contrato com a LIFESA e a Gestão de Márcia Lucena fosse assinado.
“RICARDO COUTINHO: O laboratório, eu peguei, o LIFESA …
DANIEL: O LIFESA … O senhor pegou pesado lá, deu … sexta-feira uma reunião, praticamente alinharam pra assinar o contrato na outra semana.
O que eu fique de lhe trazer do laboratório, a lista de cinquenta produtos de custo caro, e esses são os valores que já estão praticados, já tão tabelados lá, é … referentes ao contrato, Com a SES, e trouxe para o senhor ver aquele comparativo do Conde, lembra que falei pro senhor do Conde? eu trouxe inclusive que … era muito … eu fiz um resuminho … porque … eu trouxe … esse aqui é o mapa de cotação do Conde. O Conde, tá, ele tinha o mapa deles, tá? Mas em regra geral, os primeiros colocados … total, faturado pelo LIFESA, 738 mil reais, a gente faturou pra eles. Agora olha o nosso custo, 495 mil, margem de 243 mil reais, 32 por cento a mais. 30min20s”
No trecho acima mostra claramente que a prefeitura de Conde pagou 738 mil Reais por medicamentos que tiveram um custo de apenas 495 mil Reais, ou seja, a LIFESA vendeu os medicamentos com 32% a mais do valor de custo.
O Ministério Público arremata:
“Percebe-se o TAMANHO do lucro que a ORCRIM obteve com a operação do LIFESA: segundo a conversa entre DANIEL GOMES e RICARDO COUTINHO, o preço praticado pelo LIFESA foi 24% daquele posto na tabela CEMED, e mesmo assim foi comemorado como uma vitória gigante para o grupo.
A forma de atuar está estampada também: OS COMPARATIVOS DE PREÇOS DEMONSTRAM A VORACIDADE DA JOINT VENTURE CRIMINOSA EM GANHAR AS DISPUTAS A QUALQUER PREÇO…”.
A exposição desse trecho desmonta duas teses de Márcia Lucena, a primeira que os crimes imputados a ela são crimes da época em que era secretária de educação do governo Ricardo Coutinho. A segunda é que a compra com a LIFESA foi vantajosa para a prefeitura.
Percebe-se pelos trechos destacados pelo Ministério Público que a Gestão de Márcia Lucena pagou por medicamentos com pelo menos 32% do valor acima do preço de custo, e que definitivamente a Prefeita Márcia Lucena instalou no Conde um braço para a organização criminosa denunciada pelo GAECO-PB.

 

 

Da Redação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: